Os cookies.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.

Ética e retórica forense: asebeia e hybris na caracterização dos adversários em Demóstenes

Sobre o item

Outro título
Ethics and forensic rhetoric: asebeia and hybris in the characterizing of the opponents in Demosthenes
Resumo
The aim of this study is to analyze the use of the terms asebeia and hybris in the forensic discourses contained at the corpus Demosthenicum. Both of these concepts play an important role in the discourse to describe negatively the character of the opponent and to assign a greater guilt to the offense committed. The efficiency of these terms in attracting the sympathy of the judges in the discourses is proven by their recurrence about various situations, such as homicide, assault, misuse of citizenship, political rivalries and family quarrels. This study was divided into three parts. The first is devoted to a discussion of the methodological issues, the second deals with the notions of asebeia and hybris in the Archaic and Classical period and, finally, the third is about the use of such notions in the world of the speakers, mostly in Demosthenes. The third part is divided into seven chapters, each of them is dedicated to a specific use of such notions. Demosthenes has chosen carefully the use of the notions of asebeia and hybris to compose the negative ethos of the opponent. He has done that by enriching the prosecution with factors that are not necessarily connected to the main legal action, but are reprehensible in the eyes of citizens. Thus, both of these notions are widely used in cases where the tradition of the city is in danger.
O intuito desta investigação é analisar o uso dos termos asebeia e hybris nos discursos forenses presentes no corpus Demosthenicum. Ambos os conceitos desempenham um papel importante nos discursos para descrever negativamente o caráter do adversário e atribuir uma culpa maior ao delito cometido. A eficiência dos termos em atrair a simpatia dos juízes é comprovada nos discursos por meio da recorrência de diversas situações, tais como homicídios, agressões, mau uso da cidadania, rivalidades políticas e disputas familiares. O estudo foi dividido em três partes. A primeira é dedicada à discussão das questões metodológicas; a segunda, ao tratamento das noções de asebeia e hybris no período arcaico e clássico; por fim, a terceira se refere ao uso dessas noções no mundo dos oradores, principalmente em Demóstenes. A terceira parte é dividida em sete capítulos, cada um dedicado a um uso específico dessas noções. Demóstenes escolheu com cuidado quando utilizar as noções de asebeia e hybris para compor o ethos negativo do adversário através do enriquecimento da acusação com fatores que não estão necessariamente ligados à ação principal, mas que são condenáveis aos olhos dos cidadãos. Assim, as noções de asebeia e hybris são amplamente utilizadas nos casos em que a tradição da cidade está em perigo.
DOI
10.14195/978-989-26-0845-7
ISBN
978-989-26-0845-7 (PDF)
Acesso
open access
Coleção Digital
Pombalina
Local de publicação
Coimbra
Idioma
Português
Tipo
Livro
Nº de visualizações
73
Nº de downloads
34
Notas
Humanitas Supplementum