Os cookies.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.

Arquéstrato, iguarias do mundo grego: guia gastronómico do Mediterrâneo Antigo

Sobre o item

Outro título
Archestratus, delicacies from the greek world: a gastronomic guide of the Ancient Mediterranean
Resumo
The present work offers the first translation into Portuguese of the oldest Greek gastronomic text that has come down to us, albeit only in fragmentary form. The poem written by the Sicilian author Archestratus (4th century BC) is an account of the sophisticated food eaten by the aristocratic elites with enough economic power to buy the most expensive ingredients (such as high quality fresh fish) and to undertake the gastronomic tours implied in the text. In chapter I, a survey is offered of the biographical data pertaining to the author and of the transmission and reception of his work up to the present day. This is followed by the translation of the 60 fragments (chapter II), with notes and photographs that illustrate some of the dishes. In chapter III, a detailed analysis is offered of the poem’s contribution to the historical study of food in ancient Greece. Here, “Archestratus’ cuisine” is considered from five perspectives: produce, culinary methods, utensils, furniture and production agents. Attention may be drawn to the use of maps showing the whereabouts of ingredients used in the confection of the recipes present in the work and a detailed study of the terminology used in the poet’s kitchen. Extra features in the book are appendices with some of the recipes, updated according to modern standards; bibliography (editions and secondary literature); and indices of the food-orientated fauna and flora mentioned (in Portuguese, with Latin scientific name and Greek term).
A presente obra constitui a primeira tradução para português do texto grego de literatura gastronómica mais antigo a ter chegado aos nossos dias, ainda que apenas sob a forma de fragmentos. O poema do siciliano Arquéstrato (séc. IV a. C.) é um retrato da alimentação requintada das elites aristocráticas, com poder económico para comprar o mais caro dos ingredientes (o peixe fresco de qualidade) e para realizar as rotas gastronómicas implícitas no texto. No cap. I procede-se à análise dos dados biográficos do autor e à história da transmissão e receção da sua obra até aos nossos dias. Segue-se a tradução dos 60 fragmentos que a compõem (cap. II), acompanhada de notas explicativas e de fotos de algumas das iguarias (reproduzidas da forma mais fidedigna possível). No cap. III realiza-se uma análise detalhada do contributo do poema para a história da alimentação na Grécia antiga. Aí a “cozinha de Arquéstrato” é considerada sob cinco perspectivas: produtos, métodos culinários, utensílios, mobiliário e agentes de produção. Destaca-se nesta parte o recurso a mapas de localização de ingredientes usados na confeção das receitas culinárias presentes na obra e um pormenorizado estudo da terminologia técnica usada no universo da cozinha do poeta. A obra está, ainda, complementada por um anexo com as receitas das fotos, atualizadas segundo os padrões modernos, pela bibliografia (edições e estudos) e por índices de fauna e flora alimentares mencionados (em português, nome latino científico e em grego).
DOI
10.14195/978-989-26-1245-4
ISBN
978-989-26-1244-7
978-989-26-1245-4 (PDF)
Acesso
open access
Coleção Digital
Pombalina
Local de publicação
Coimbra
Idioma
Português
Tipo
Livro
Nº de visualizações
10
Nº de downloads
8
Notas
DIAITA: Scripta & Realia