Os cookies.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.

Iberismos: nação e transnação, Portugal e Espanha (c.1807-c.1931)

Sobre o item

Outro título
Descrição Material
362 p.
Resumo
The iberisms are connected to a central issue in political and historical reflection in European 19th and 20th centuries: how can a nation be defined? Which viability and future possibilities could it have? Is it pertinent to interpret them as expressions of a nationalism that gave rise to the unification of Italy and Germany? The concepts of Iberism and Hispanism (pan-hispanism, hispano-Americanism, ibero-Americanism, etc.) acquired diverse meanings depending on the historical conjunctures. They generated expectations of future, but also they brought about resistances. They were not able to mobilize popular groups in Portugal, and also in Spain, and never succeeded in organizing political movements with consistent action programs. However, they raised wide public reactions and encouraged the political communication between Portuguese and Spanish, feeding a live European transnational debate. Based in a broad research, we develop an integrated approach that takes into account the study of the actors involved and reviews the place of iberisms in political and historical peninsular cultures in a chronology that goes from the period of French occupation to the establishment of dictatorships in the 30’s.
Os iberismos prendem-se com uma problemática central da reflexão política e histórica na Europa dos séculos XIX e XX: como se define uma nação? Que viabilidade e possibilidades futuras poderia ter? Será pertinente interpretá-los como expressões de um nacionalismo equiparável aos que deram lugar à unificação da Itália e da Alemanha? Os conceitos de iberismo e de hispanismo (pan-hispanismo, hispano-americanismo, ibero-americanismo, etc.) foram assumindo significados diversos consoante as conjunturas históricas. Geraram expectativas de futuro, mas também suscitaram resistências. Pouco mobilizadores em Portugal, mas também em Espanha, nunca se organizaram em movimentos políticos dotados de programas consistentes de acção. Suscitaram contudo larga reacção pública e incentivaram a comunicação política entre portugueses e espanhóis, alimentando vivo debate transnacional. Com base em alargada investigação, desenvolve-se uma abordagem integrada que estuda os actores envolvidos e reavalia o lugar dos iberismos nas culturas políticas e históricas peninsulares, num período que vai da ocupação francesa à instauração das ditaduras, nos anos 30.
DOI
10.14195/978-989-26-1368-0
ISBN
978-989-26-1367-3
978-989-26-1368-0 (PDF)
Acesso
open access
Coleção Digital
Pombalina
Idioma
Português
Tipo
Livro
Nº de visualizações
111
Nº de downloads
44