Os cookies.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.

Compaixão, expiação e indiferença do Estado: notas sobre a tragédia de Entre-os-Rios

Sobre o item

Outro título
Compassion, expiation and indifference of the State: notes on the Entre-os-Rios tragedy
Resumo
No dia 4 de março de 2001, por volta das 21 horas e 10 minutos, o desabamento do pilar P4 da Ponte Hintze Ribeiro, em Entre-os-Rios, provoca a queda parcial da estrutura do tabuleiro. Um autocarro, com 53 pessoas a bordo, e três viaturas ligeiras, com seis ocupantes, são atirados para as águas gélidas do rio Douro. Cinquenta e nove pessoas perdem a vida. Mais de uma década volvida sobre o desastre, este tem vindo progressivamente a converter-se num mero acontecimento local e a perder muito do desassossego de que foi inicialmente tomado. O desassossego que a Tragédia de Entre-os-Rios provoca hoje, não reside na compaixão que conduziu à lógica de expiação adotada pelo Governo de António Guterres, mas sim no facto do desastre ter dado origem a uma relação excecional entre um Estado penitente e pessoas sofredoras e não a uma relação normal entre um Estado de Direito e cidadãos lesados. Pelo facto das lágrimas que se choraram, então, terem conferido um simulacro de poder político ao território e aos familiares das vítimas precisamente por serem lágrimas. É isto que provoca desassossego.
DOI
10.14195/978-989-26-1218-8
ISBN
978-989-26-1217-1
978-989-26-1218-8 (PDF)
Acesso
open access
Coleção Digital
Pombalina
Local de publicação
Coimbra
Idioma
Português
Tipo
Livro
Nº de visualizações
10
Nº de downloads
5
Notas
Investigação