Os cookies.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.

Cadernos do CEIS 20 nº 26: Monumentos do Salazarismo: curta-metragem retrospetiva

Sobre o item

Descrição Material
70 p.
Resumo
In the recent research work entitled Monuments, Territory and Identity in Estado Novo we have found that a specific political ideology materialised in the Portuguese spatial organisation based on the definition of a project towards the consciousness of a legacy, an unchallenged strategy devised in the early revival of a Portugueseness defended by the regime led by António de Oliveira Salazar. The notion of Estado Novo would thus be presumably seen as a personal programme seriously committed to nationalist and anti-democratic convictions, projected and sanctioned in a new Constitution responsible for imposing a tendentially totalitarian power. However, due to a number of episodes and facts surrounding the Dictatorship period, such a plan for Portugal was implemented across the land through many and varied works and transformations, which certainly shaped the unmistakable images of the Salazarist Nation. They were known as portraits of Portugueseness, however, as we have found, they not only highlighted those much desired nationalist and regionalist features, but also revealed an international, modern, allegedly illegitimate and forbidden character. The campaigns for the reintegration of national monuments implemented under official technical guidance, which expressly ordered that all old and historical structures had to be returned to their original state, supported the required general aspect and fascistic plans from the North to the South of the territory. The energetic propaganda activity carried out in the first two decades by the Diário de Notícias special delegate, António Ferro, allowed the Portuguese people, and hopefully the world, to idealise about the fairy tale homeland that was believed to be under (re)construction. The ambition was to domesticate everyone’s views of Portugal. To that end, commemorations, exhibitions, publications, awards and many other events were organised to disclose and popularise such an ideal. While the cinema, on a smaller scale, was not one of those privileged instruments of indoctrination, it nevertheless reproduced some frames that represented well the animated version of national life, especially through various documentaries on everyday life in the countryside, or the unparalleled history of monuments. Our purpose takes that line to uncover how this industry was appropriated for the sake of the irreproachable ideological myths mustered by the Estado Novo, and how the national monuments portrayed the idea of being Portuguese on canvas. This short-film retrospective of Salazarist Monuments consists of a total of fourteen documentaries shown at Cinemateca Portuguesa.
Na recente investigação cumprida em Monumentos, Território e Identidade no Estado Novo concluímos, em definitivo, que da definição de um projeto à memorização de um legado se consagrou na organização do espaço português certa ideologia política, incontestada estratégia, com certeza concertada nos princípios de uma reavida Portugalidade defendida pelo regime chefiado por António de Oliveira Salazar. O Estadonovismo seria, assim, presumivelmente presenciado como um programa pessoal sobremaneira comprometido com convicções nacionalistas e antidemocráticas, projetadas e sancionadas numa nova Constituição responsável pela imposição de um poder tendencialmente totalitário. Porém, conjuntamente em razão de diferentes episódios e factos sobrevindos à época da Ditadura, compreender-se-ia que dito plano para Portugal se impôs no lugar da terra mediante numerosas e multifacetadas obras e transformações, que decerto conformaram inconfundíveis imagens da Nação Salazarista. Apelidar-se- -iam retratos do portuguesismo, porém, segundo se apurou, não apenas evidenciariam aquelas feições nacionalista e regionalista tão apetecidas, como, a par, expunham uma feição internacional, moderna, alegadamente ilegítima e proibida. As campanhas de reintegração dos monumentos nacionais tecidas à luz de uma orientação técnica, oficial, que expressamente ditava que todas estas antigas e históricas estruturas regressassem à sua originalidade deveras consubstanciaram de Norte a Sul do território tais fácies e desígnios fascizantes então exigidos. Por meio da enérgica ação da propaganda dirigida nas primeiras duas décadas pelo outrora enviado especial do Diário de Notícias, António Ferro, os portugueses e, desejadamente, o Mundo conheceriam, de forma idílica, aquela Pátria de conto de fadas que se acreditava estar a (re)construir. A todos se ambicionava domesticar a perspetiva tida sobre Portugal. Para o efeito, organizaram-se comemorações, exposições, publicações, prémios e muitos outros acontecimentos que tivessem a capacidade de a divulgar e popularizar. Ainda que não constituísse um desses instrumentos privilegiados de inculcação, também o cinema, à sua restrita escala, reproduziria determinados fotogramas bem representativos e animados da vida nacional, especialmente através de diversos documentários alusivos ao quotidiano experimentado no campo ou à inigualável História admirada nos monumentos. É, neste sentido, nosso propósito desvendar como esta indústria foi apropriada em favor dos incensuráveis mitos ideológicos arregimentados pelo Estado Novo e como os monumentos nacionais nas telas materializaram certa ideia de Ser Português. Uma curta-metragem retrospetiva sobre os Monumentos do Salazarismo que se perfará considerando catorze documentários visualizados na Cinemateca Portuguesa.
DOI
10.14195/978-989-26-1804-3
ISBN
978-989-26-1803-6
978-989-26-1804-3 (PDF)
Acesso
open access
Coleção Digital
Pombalina
Idioma
Português
Tipo
Livro
Nº de visualizações
6
Nº de downloads
0